Entrevista Com VaDeBo, Grupo Valenciano De Música De Protesto

Off Por
Entrevista Com VaDeBo, Grupo Valenciano De Música De Protesto

Suas músicas tocam temas quentes, como a Primavera Valenciana ou a LOMCE. Começaram há mais de um ano e meio e de imediato fizeram mais de vinte e sete concertos. O seu “mestiçagem” (rock, ska, hip hop), percorreu a geografia de valência, Catalunha (Barcelona, Igualada ou Cardedéu) e mesmo de terem cruzado a divisa linguística com um concerto em Burgos e outro em Espanha. Também não faltou em festivais como o Bem Lumbreiras, o Festivern ou o Gazpatxo Rock, onde tocam esse sábado, dia sete de fevereiro. Na lateral valenciana, que é o desporto nacional mais representativo do País Valenciano, a expressão é usada no momento em que o jogador avisa que neste momento não está aquecendo e vai começar a partida.

É como contar “essa é interessante”. O piloto bem como tira da ‘pilota’ novas expressões famosos como “vê-te’n a fer a mà”. Em um grupo valenciano de vosso modo, Sim temos a 2 participantes do grupo (Dani e Álvaro), que tocam a trombeta, da flauta.

Se fizessem ausência, as introduziremos (como em Ningú com o seu). Queríamos ter uma identidade própria e trabalhar as melodias de uma forma diferente. Tínhamos claro, isto sim, que queríamos um Dj. Muitos de vós já eram populares pela cena musical de Valência.

Alguns cantábais em castelhano, o Victor: Eu tinha vontade, eu a toda a hora fui fã dos grupos em valenciano. No grupo onde estava antes alguma vez fazíamos alguma em valenciano, entretanto era tudo em português. Ademais, quando estudei pela universidade, comecei a ter mais consciência do respeito e emprego da língua. Dei-lhe uma maior importância cultural, e até já política.

  • 1966 : Single É alles ist nicht Gold was glänzt / Die süssen Tränen der schönen Frauen
  • Tio Josh at Morning Picture show (1902), de Edwin S. Porter
  • 9 MHz Coração FM
  • nove Chaos (Zero)
  • 1,sete KM. Landa atinge de imediato a Mollema
  • Chegados a este ponto, o mais conveniente é dar like a sua última publicação
  • 27 de abril de 2016 | 09:Trinta e seis
  • um Pollera congo

Dani: eu Sempre tenho cantado em valenciano. Minha educação foi nesta língua e as pessoas com que me juntava também. Neste grupo não veio nenhuma língua, todavia eu tenho claro que eu vou cantar em valenciano. Rede: Se uma pessoa do grupo fosse alemão ou chinês, poderia assim como cantar em sua língua.

Quais são os grandes obstáculos que ele tem na atualidade a música em valenciano? São os mesmos que tem a música em qualquer outra língua: apoio institucional nulo e tudo vem de entidades cívicas. Temos nosso circuito, todavia há muita gente fazendo coisas, e nós não queremos profesionalizarnos.

Não desejamos ensaiar o que gostaríamos, por causa de devemos trabalhar. Dado o atual desenvolvimento da música, em valência, e o Valencia, porque há mais espaços do que os recebem? Acreditamos que essa barreira de imediato está praticamente eliminada. Talvez graças a Raiz, o primeiro grupo que não teve nenhum dificuldade em tocar em nenhum blog, e que cantam em português. Também bandas como Green Valley ou Autocolante foram super bem recebidos no País Valenciano.

O público imediatamente ultrapassou o binômio ‘castelhano-catalão’, o que ele quer é ouvir a bacana música. Se o grupo gosta de nós, não importa em que língua cantar. Haveis tido barreiras por fazer música em valenciano? Os preconceitos das pessoas são as únicas barreiras que você tem a música. Ontem recebemos um comentário onde nos espetaban, por que a música folk, precisamos fazê-la em valenciano. Ó canção de protesto há em todo o mundo e em todos os idiomas! Sinal de que eles estão quebrando diversas barreiras é o sucesso que tem um Obrint Pas ou A Gossa Surda em Viña Rock, onde vai públicos de todo o estado.

Por que escolhestes Travesses como título de teu primeiro disco? As ‘travesses’ na lateral valenciana são os cotados ou as apostas que se realizam: estas são as nossas ‘travesses’. É para um público mais específico o requisita, colecionadores que gostam de tê-lo fisicamente, em razão de estão acostumados a eles.

Mas todas as canções das subiremos à web e continuarão sendo de download gratuito. Ao nosso nível, fazer um CD a todo o momento é perder dinheiro, todavia também é uma forma de promocionarnos nas mesas dos shows e em muitas ocasiões nos pediram o modelo físico pra poder agir ou divulgar as nossas músicas.